O treino da Grécia em Aracaju neste final de semana foi marcado por uma “invasão” de jornalistas japoneses, uma vez que o Japão é o próximo adversário dos gregos na Copa do Mundo. No estádio Batistão, Centro de Treinamentos da Grécia, os adversários concorriam com os gregos em número de profissionais presentes durante a entrevista coletiva e a atividade no campo.

Porém, a imprensa japonesa ficou de certa forma desapontada com a recepção. Primeiro com a negativa do técnico da Grécia, Fernando Santos, em falar sobre o Japão. O meia Kone foi solícito, mas se limitou a dizer que espera um Japão rápido e uma preocupação com Honda, Nagatomo e Yoshida. 

Mosaico - Imprensa Japonesa treino Grécia (Foto: Editoria de Arte)
Imprensa japonesa durante o treino da Grécia (Foto: Editoria de Arte)

- É uma pena não ter uma avaliação do treinador. Viemos aqui para colher isso dele. É um jogo de vida ou morte para as duas seleções e todos (jornalistas) vão badalar muito esta partida – afirmou Shohei Tani, jornalista da TV Fuji.

No gramado, apenas os jogadores que não atuaram contra a Colômbia, no último sábado, participaram das atividades. Os titulares fizeram uma leve corrida e depois assistiram a movimentação dos suplentes.

Os Japoneses também foram  derrotados em sua estreia na Copa do Mundo. A equipe perdeu da Costa do Marfim por 2 a 1 e, por conda disso, precisa tanto quanto a Grécia de uma reabilitação na próxima rodada. Uma segunda derrota decreta, de vez, o fim da briga por classificação à segunda fase.

- A derrota para a Costa do Marfim foi um acidente. Contra a Grécia, não sabemos se temos condições de fazer gols neles. O que nos motiva é saber que eles não são tão fortes no ataque e que já levaram três gol – comenta Shohei.

A seleção grega continua sua preparação para enfrentar o Japão, nesta segunda-feira, com treino marcado para as 17h30. O confronto entre as duas seleções acontece na próxima quinta-feira, às 19h (horário de Brasília) na Arena das Dunas, em Natal.

Com o insucesso diante da Colômbia na derrota inicial, os sergipanos, não só os da capital como também os de  Itabaiana, já começaram a desconfiar desta equipe que em 2004, chegou a ser campeã  européia de seleções com  um alto destaque. Só a vitória contra o Japão devolverá o otimismo de se ver os sergipanos em sua grande maioria, torcendo pelo Brasil, e pela Grécia também.

Roberto Carioca, com o apoio do globoesporte.com